Mediação materna: por que algumas mães não deixam os pais ajudarem

Além de cuidar mais das crianças e ajudar na limpeza, os pais podem ser úteis sinalizando os momentos em que as mães estão tentando atender a padrões que não precisam ser seguidos

| CNN BRASIL / ELISSA STRAUSS DA CNN


- Psicólogos se referem a esse fenômeno como 'guardião materno', quando as mães controlam as responsabilidades domésticas dos pais e/ou as interações com seus filhos J_Art via Getty Images
publicidade

A quebra da dinâmica de gênero no ambiente de trabalho tem uma solução simples: precisamos dar mais poder às mulheres. Mas corrigir a dinâmica de gênero em nossos lares não é tão simples.

Fora dos lares, a sociedade é amplamente organizada de acordo com uma estrutura de poder de homens por cima, mulheres por baixo. Dentro de nossas casas, por outro lado, é onde as mulheres têm uma influência considerável. Esposas e mães tendem a dar as cartas na maioria dos assuntos relacionados ao trabalho doméstico e aos cuidados com os filhos, uma realidade evidenciada pela onipresença do “pergunte à sua mãe” no espaço e no tempo.

As mulheres não pediram esse poder. Na verdade, um número crescente de nós passou a se ressentir disso, principalmente porque nosso aumento de poder (também conhecido como responsabilidade) no local de trabalho não se correlacionou com uma diminuição proporcional de nosso poder em casa. “Pergunte ao seu pai!” as mães começaram a gritar, mais de desespero do que de esperança.

Leia Mais

As mulheres não querem apenas que os homens façam mais tarefas domésticas e cuidados com os filhos porque esse trabalho pode ser tedioso e exaustivo, elas querem porque os homens não fazerem isso prejudica as mulheres profissionalmente. Embora a solução aqui claramente envolva os pais fazendo mais em casa, os homens, mesmo os preguiçosos e obtusos, não são os únicos culpados pela falta de progresso. Muitas mães – muitas vezes sem querer, às vezes inconscientemente – ficam no caminho do progresso.

Os psicólogos se referem a esse fenômeno como “guardião materno”, quando as mães controlam as responsabilidades domésticas dos pais e/ou as interações com seus filhos.

Pesquisas dos últimos 20 anos documentaram uma conexão entre o controle de uma mãe sobre a paternidade de seu parceiro e o quanto ele a exerce. Quanto mais controle da mãe, menor o envolvimento do pai.

“Apenas dizer que a mediação materna (gatekeeping, da expressão em inglês) existe não significa que toda a responsabilidade deve recair sobre as mulheres para gerenciar os homens. Mas ainda serve como um impedimento para a qualidade do relacionamento entre pais e filhos … quebra-cabeça de como o gênero atua nas famílias”, disse Sarah Schoppe-Sullivan, professora de ciências humanas e psicologia da Universidade Estadual de Ohio, que estudou o controle materno.

O gatekeeping materno foi mencionado pela primeira vez na literatura acadêmica na década de 1970, depois que a segunda onda de feminismo levou os estudiosos a avaliar e repensar a dinâmica familiar. O interesse pelo assunto diminuiu durante a maior parte das décadas de 1980 e 1990 e não voltou a crescer até 1999, quando um estudo influente sobre o assunto foi publicado.

Descobriu-se que as mulheres em casais com dupla renda que eram guardiãs faziam “cinco horas a mais de trabalho familiar por semana e tinham divisões de trabalho menos iguais do que as mulheres classificadas como colaboradoras”.

Isso foi seguido por pesquisas que analisam os mecanismos por trás do gatekeeping e qual o papel que ele desempenha na perpetuação da desigualdade de gênero no lar. Um estudo, liderado por Schoppe-Sullivan, descobriu que as mulheres são mais propensas a “guardar o portão” – ou, especificamente, “fechar o portão” – quando percebem seu relacionamento como menos estável, quando estão ansiosas ou deprimidas, quando os pais não têm confiança ou quando as mães mantêm padrões excessivamente altos para a paternidade.

No geral, “as características dos pais são menos preditivas de gatekeeping materno do que as características das mães”. Outro estudo descobriu que quanto mais sexista uma mulher é em relação aos homens, mais ela cuida dos portões e mais cuidados com os filhos e tarefas domésticas ela tem.

Prestar mais atenção a esta mediação materna não apenas ajuda as mulheres a ter uma visão mais clara sobre a dinâmica de co-parentalidade em seus lares. Também as ajuda a identificar as fontes externas que as pressionam a sentir que precisam ser os pais principais, independentemente de seu status profissional.

Relação começa no primeiro dia

Em nível político, nos Estados Unidos, a ausência de licença remunerada para homens nos Estados Unidos desempenha um grande papel na manutenção do status quo de gênero. (O governo federal não exige licença remunerada para homens ou mulheres, mas mais mulheres optam por tirar vantagem das políticas de seus empregadores ou tirar licença não remunerada do que os homens).

Neste caso, as mulheres permanecem menos propensas a voltar ao trabalho. Estudos mostram que quando os homens têm a chance de estar em casa nesses primeiros meses, eles se tornam pais mais envolvidos a longo prazo.

Para muitas famílias, o legado daqueles primeiros meses em que a mãe é a mãe primária pode ser difícil de abalar. Embora parte disso tenha a ver com as realidades ditadas pela biologia, não é o único fator em jogo.

Um estudo que analisou isso em famílias heterossexuais e homossexuais que adotam descobriu que as mulheres heterossexuais se envolvem em mediação materna mesmo quando não estão amamentando. Eles também aprenderam que homens em relacionamentos do mesmo sexo tendem a “mediar” mais do que mulheres em relacionamentos do mesmo sexo.

Os autores acreditam que isso é resultado do fato de que os relacionamentos lésbicos tendem a ser mais iguais do que os dos homens gays. Eles também suspeitam que os pais gays, cientes de que os pais são percebidos como menos competentes do que as mães, podem sentir mais pressão para serem vistos como bons pais e, como resultado, criticam mais seus parceiros.

A mãe ‘perfeita’

Em um nível cultural, as mães estão sujeitas a uma ampla gama de pressões, a maioria das quais as faz sentir como se pudessem e deveriam ser mães melhores, não importa o quão bem seus filhos estejam. Essas mensagens estão por toda parte, vindas das mídias sociais, do playground, dos grupos de mamães e do entretenimento. Mesmo as mães feministas mais resolutas por aí têm dificuldade em resistir a elas.

“Mediação materna realmente parece depender de quanto uma mulher internaliza os padrões sociais sobre ser uma boa mãe”, disse Schoppe-Sullivan. “Quanto mais você se importa (ser vista como uma boa mãe), menos provável é que você abra mão do controle sobre esse domínio.”

Sarah Laubach Gur, advogada e mãe de dois filhos pequenos em Oakland, disse que seu controle era o subproduto do desconforto que sentia como mãe trabalhadora. “Meu medo (de meu marido fazer a coisa errada) estava realmente ligado a ser uma mãe trabalhadora e voltar a trabalhar insanamente cedo com os dois filhos, ou ser a mãe ‘real'”, explicou ela.

“Enfrentar o pai, que também estava trabalhando e competindo por tempo com os bebês, não era muito amoroso, mas também não era consciente”. Tornar-se ciente desse comportamento ajudou Gur a interferir menos na paternidade de seu marido e, como resultado, ele se tornou um pai mais confiante.

Pai escolhendo o bolo de aniversário

Muitas mulheres querem parar de vigiar, mas estão cientes de que enfrentarão as consequências se o marido tomar a decisão errada. Veja o que aconteceu na festa de aniversário recente do meu filho de 5 anos: eu planejei todo o evento, mas disse ao meu marido para encomendar o bolo. (Isso não deve ser interpretado como um insulto contra meu marido, com quem divido a maior parte do trabalho doméstico e dos cuidados com os filhos.)

Ele pediu um bolo orgânico de dois andares coberto com chantilly e morangos, que ele assumiu que seria um sucesso. Mas aqueles de nós bem versados ​​na política de parentalidade intensiva teriam notado uma bandeira vermelha: um bolo de dois andares, especialmente um carregado com chantilly, é um bolo difícil de cortar em pedaços pequenos. E os pais de hoje, que tendem a ter um grande interesse em monitorar o consumo de açúcar, dando preferência a pequenos pedaços.

Na festa, eu fiz o meu melhor para esmagar aquele bolo em obediência, criando pequenos pedaços, mas sem graça, enquanto murmurava algo sobre densidade de chantilly em comparação com glacê. No entanto, alguns dos pais, que não hesitaram em expressar suas preocupações enquanto eu cortava, rapidamente pegaram os pratos de seus filhos para ajustar o tamanho. Depois, exausta, eu disse a ele: “é isso que acontece quando você escolhe o bolo”.

“Bem, da próxima vez, deixe-me cortar. Eu não teria me importado, e eles provavelmente não teriam dito nada se um pai estivesse cortando de qualquer maneira.” É verdade que isso teria funcionado na festa, mas pode não ter resolvido o problema maior.

Os homens percorreram um longo caminho, baby

Matt Stevenson, pesquisador de pós-doutorado em psicologia do desenvolvimento da Universidade de Michigan, que estudou pais e mediação materna, apontou que os pais ainda são vistos com muita frequência como sem noção, e as mães com muita frequência compram isso. Isso ocorre apesar de uma mudança geracional em direção à co-parentalidade e de um crescente corpo de pesquisas que provam que os pais são tão adequados quanto as mães.

Ainda assim, ele está otimista. Os pais cuidam mais dos filhos e do trabalho doméstico do que nunca e são percebidos como pais mais competentes do que nunca. Ele espera que essas tendências continuem no futuro, especialmente com a ajuda das mulheres.

“Até certo ponto, é uma questão de dar espaço ao marido na casa para encontrar maneiras de mostrar amor e ajudar”, disse Stevenson.

Foi isso que Lauren Apfel, mãe de quatro filhos e editora da revista Motherwell, fez. Como a principal cuidadora quando seus filhos eram pequenos, ela se sentia como se estivesse “criando a vida das crianças”, ela tinha “um interesse adquirido e certos padrões sobre como esse roteiro está sendo encenado”.

Mas então ela teve gêmeos e voltou ao trabalho e percebeu que segurar as rédeas com tanta força estava machucando tanto ela quanto o marido. Embora ela ainda seja mais parental do que o marido, ela não interfere mais quando é a vez dele.

“(Quando) ele é responsável por algum aspecto de seus cuidados, ele é totalmente responsável. Essa é a chave. Responsável do início ao fim”, disse Apfel. “Fico feliz em contribuir, e muitas vezes ainda tenho uma visão sobre eles que ele não tem, mas agora ele tem espaço para tomar decisões, não apenas executar as decisões que tomei por ele. E esse é um inferno de um alívio.”

Um dos maiores desafios para as mulheres que procuram se libertar do fardo do trabalho doméstico é determinar o que é essencial e o que não é. Existem os óbvios: as crianças precisam de amor, comida, roupas, escola, consultas médicas e quartos para morar que sejam relativamente higiênicos, organizados e climatizados. Quando uma mãe faz mais do que isso, há uma chance de que ela esteja respondendo às pressões desproporcionais que ela coloca sobre si mesma, em vez daquelas impostas por sua família.

Além de cuidar mais das crianças e limpar, os pais podem ser úteis sinalizando os momentos em que as mães estão tentando atender a padrões que realmente não precisam ser atendidos. Este é um insight útil, mas não pode ser compartilhado a menos que esses portões estejam abertos.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Tópicos



SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR! COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS!

Envie sugestões de notícias para o WhatsApp do portal Itaporã News! 

Curta nossa Fan Page e fique por dentro de tudo que acontece em Itaporã, Região, Brasil e Mundo!

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real

Siga o Itaporã News no Youtube!